Voltar ao topo.Ver em Libras.
Uma empresa:logo irrigater
Compartilhe o site:

COTAS DE CALCÁRIO DO PROGRAMA TERRA BOA JÁ ESTÃO DISPONÍVEIS

Últimas notícias do mercado agrícola
« Mais recente🔀🛈Categoria:Notícias
ImprimirReportar erroTags:florianópolis, feita, milhão, reembolsa, investidores, juros, financiamento e podem762 palavras11 min. para ler

Florianópolis (13/04/2015)
A primeira fase do Programa Terra Boa já começou. São 310 mil toneladas de calcário à disposição dos produtores rurais catarinenses. O convênio firmado entre a Secretaria da Agricultura e da Pesca e a Federação das Cooperativas Agropecuárias do Estado de Santa Catarina (Fecoagro) prevê investimentos de aproximadamente R$ 48 milhões para subsidiar a aquisição de sementes de milho, calcário, kits forrageira e kits apicultura. A expectativa é beneficiar cerca de 80 mil agricultores.
De acordo com o secretário da Agricultura e da Pesca, Moacir Sopelsa, um dos objetivos do programa é aumentar a produtividade de milho nas propriedades rurais. Para isso, foi subsidiada a compra de 310 mil toneladas de calcário e 220 mil sacas de sementes de milho. Além disso, estão à disposição 3,5 mil kits forrageiras, para implementar as pastagens, e 430 kits apicultura, que é uma opção para diversificar a produção.
Sopelsa orienta que para participar do programa o agricultor precisa procurar um escritório da Epagri, que tem a relação das cotas disponíveis para cada região, e pedir o "aviso de retirada”. Com o documento, basta procurar uma cooperativa ou casa agropecuária credenciada para retirar o seu produto, seja calcário, forrageira ou kit apicultura. "As sementes de milho estarão disponíveis para a retirada a partir do mês de junho”, completa.
O secretário adjunto da Agricultura e da Pesca, Airton Spies, explica que o Programa faz parte de uma iniciativa do Governo do Estado de aumentar a produção média de milho de Santa Catarina dos atuais 7,8 mil quilos por hectare para 10 mil quilos por hectare até 2018. Esta meta é chamada de Milho 10T. "O estado de Santa Catarina é um grande consumidor de milho, sendo necessárias 5,5 milhões de toneladas por ano para abastecer a produção de suínos, aves e bovinos”.
De acordo com Spies, a produção catarinense atual é de 3,3 milhões de toneladas por ano. Para suprir o déficit de 2,2 milhões, o Governo do Estado adota uma série de medidas e entre elas está o investimento no aumento da produtividade. "Isto é importante, pois o estado não tem áreas novas para incorporar na produção de grãos, sendo o aumento da produtividade por meio de tecnologia de ponta a melhor alternativa”.
Outro programa que também faz parte da estratégia para conquistar a autossuficiência de milho é o "Programa Armazenar”. A iniciativa busca ampliar a capacidade estática de estocagem em um milhão de toneladas. Para isso, a Secretaria da Agricultura e da Pesca reembolsa os investidores em 50% dos juros do financiamento. Os produtores rurais podem buscar mais informações nos escritórios da Epagri do seu município.
Como funciona o Terra Boa
 
A distribuição de calcário é feita em duas modalidades: via cooperativas, onde o produto é disponibilizado para ser retirado próximo à propriedade rural, ou direto das minas, sendo o produtor responsável pelo transporte do produto até a propriedade. Em ambos os casos, o produtor paga pelo calcário o equivalente em sacos de milho consumo tipo II (60 kg), pelo preço de referência fixado no início de cada ano. Cada família rural tem direito a uma cota de 30 toneladas de calcário que serão pagas no próximo ano com o produto da colheita.
As sementes de milho incluem sementes de médio valor genético até àquelas de altíssimo potencial genético. As relações de troca para sementes de milho continuam as mesmas do ano passado: 4 sacos de milho para cada saco de semente de milho tipo I (semente varietal) retirada; 9 sacos de milho para cada saco de semente de milho tipo II (híbridos de alta tecnologia) retirada; 15 sacos de milho tipo comercial para cada saco de semente tipo III retirado; e 20 sacos de milho para cada saco de semente de milho tipo IV (altíssima tecnologia) retirada.
Para melhoria e implementação de um hectare de pastagem, o Programa oferece o kit forrageira que é formado por mais de 80 produtos selecionados pelo agricultor e fornecidos a partir de um projeto técnico elaborado pela Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina (Epagri). O valor do kit forrageira é de R$ 2 mil que pode ser pago em duas parcelas anuais ou em uma parcela com desconto de 60% incidente sobre a segunda.
Para diversificar as atividades econômicas da propriedade rural, o Terra Boa fornece ainda o kit apicultura que oferece equipamentos necessários para que o produtor possa criar abelhas em sua propriedade. O valor do kit é de aproximadamente R$ 1.800,00 e o produtor terá dois anos de prazo para pagamento com parcela anual. Se o pagamento for único, quando do vencimento da primeira, haverá subvenção da ordem de 60% sobre o valor da segunda parcela.

Fonte: Epagri

Fonte:http://www.agricultura.sc.gov.br/index.php